domingo, 25 de setembro de 2016

More sozinho

Faz muito tempo que moro sozinha.
E nestes 10 anos em carreira solo fui desenvolvendo manias. Só rezo para não acordar às 5 da manhã para varrer a calçada. Todo o resto é superável, e você acaba aprendendo lições.

Ninguém vai lavar a minha roupa. Se eu não colocar na máquina, elas não marcharão até a máquina e muito menos subirão ao varal só porque eu sou legal. E o pior, elas não se dobram sozinha e pulam de forma organizada dentro da gaveta.

A comida segue o mesmo padrão das roupas. Ou você faz, ou morre por inanição. Ou ainda, terá que se locomover em busca de algo comestível na rua. Mas comendo na rua durante toda a semana, em algum momento será obrigado a encarar o fogão. E não é nada mágico. Eu não sou, nem nunca fui a melhor cozinheira do mundo. Sendo assim, apelidei minha comida de "comida do sobrevivente". Lógico que há os momentos de inspiração master em que eu acho que fui possuída por um espírito "Palmirinha", mas isso é raro.

A sujeira que você faz, você limpa. E não há uma alma que possa levar a culpa por sua casa estar uma zona. Se está uma zona, é porque você é um baita relaxado preguiçoso. E vendo em alguns momentos o cenário de guerra que minha casa se encontra, chego a conclusão que sou uma baita preguiçosa desorganizada. Mas mesmo assim, é minha bagunça. Minha só minha. Minha e amada zona particular. 

Existirá momentos em que você terá o comportamento político, fará a si mesmo promessas em vão "Vou arrumar a casa" "Vou deixar organizado depois que a faxineira vier, mantendo tudo em seu devido lugar", mas já se conhecendo, saberá que o cenário de guerra tarda, mas não falha.

Vai começar a falar sozinho. Este sintoma aparece cedo, logo nos primeiros meses. Depois de um tempo vira tão habitual, que nem achará que é loucura.
Fará coisas que beirarão o bizarro, e vai rir muito disso, sozinho. 

Uns dias sentirá solidão, noutros vai amar estar só com você. Terá seus altos e baixos. Mas chego a conclusão que antes de dividir a vida com alguém, deveria ser obrigatório estar sozinho, se conhecer. Conhecer seus limites, manias e loucuras. Porque se não conseguimos co-existir conosco, é quase impossível dividir algo com outra pessoa.

Siga em carreira solo. Siga em carreira solo com muita dignidade e aproveitando cada momento com você. É uma viagem bem interessante. Só tome cuidado para não se apaixonar demais. Afinal, tão bom quanto se gostar, é saber dividir e conviver.

Viva bem com você, só assim conseguirá viver bem com o outro.

Nenhum comentário: