domingo, 25 de setembro de 2016

Me perdi de você

Eu já nem sei se sinto falta de você, ou se sinto falta do "você" que eu criei. Acho que sinto falta mesmo de um você que não existe mais e só eu achei que fosse real,
Era um você bem diferente de agora. Um você que estava no meu mundo particular, e que eu adorava visitar.
Notei que deixei de te visitar. Notei que perdeu a graça te visitar. Notei que estou substituindo você por algo mais real. O você de agora não me interessa mais.

Não gosto de coisas pela metade. Não gosto de gente que não sente, não vive. E também não gosto de gente egocêntrica. Quando os seus problemas, o seu dia a dia, a sua vida, os seus afazeres e todo o resto passou a dominar sua vida, eu perdi você. Ficou intocável, ficou distante, virou fumaça.

Passei muito tempo tentando resgatar um você que já não existe mais. Você virou reclamações, virou desesperança, virou um dedo apontado para a verdade, sanidade, moral, costumes, um você que não alimenta o meu "eu". Um você que está tão, tão distante, que chego a pensar se realmente existiu, ou eu te criei para suprir minha necessidade de carinho e atenção.

Eu pensei tantas coisas. Tantos lugares, tantas coisas, tantos cheiros, sabores, e vida. Pensei, pensei tanto em você, quis tanto que tudo virasse planos, que tudo se transformasse em realidade. Acreditei tanto que eu poderia estar feliz ao seu lado. E quis tanto que você estivesse feliz ao meu lado. Mas você não existiu. Este você foi um doce fruto de um desejo de que fosse diferente. Você não é diferente. Você não quer ser diferente.

Acorda, trabalha, reclama, volta pra casa, e trabalha mais, mais e mais. Trabalha tanto pra quê? É feliz? Já me perguntei tantas vezes sobre isso. E longe ou perto, eu queria tanto que você fosse feliz,

Sei que está num poço do qual não quer sair. Às vezes lembro e estendo a mão. Estendo a mão em vão. Você não quer sair porque dentro dos seus problemas, você se esquece. E eu não posso me esquecer. Não quero me afundar neste poço tentando pegar sua mão.

Queria que você voltasse. Te queria como da primeira vez. Mas isso virou utopia. O poço é muito fundo. Não consigo mais estender minha mão.
Vem aqui fora quando descobrir que a vida pode ser muito mais do que você vive.
Te garanto que a vida é boa.

O outro você sabia disso...




Nenhum comentário: