sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Crônica do Amor Perdido

No ano de 2014 eu fiz somente 2 pedidos; Amor e Saúde. Assim nesta sequência. Se vier só o amor, e por alguma ironia do destino, eu perder a saúde, fazer o quê? Mas se vierem os dois, tenha certeza que 2014 será um ano lendário.
Ah, eu quero o amor de Vinícius, Chico Buarque, Nelson Rodrigues, Cazuza "Com sabor de fruta mordida,Camões, quero até o amor Reginaldo Rossi com Wando, e se puder quero ser um peixe para em seu límpido aquário mergulhar. Uau, perdi a respiração só de escrever.

Então, senhor 2014, o quê será feito para que isso aconteça, não faço a menor ideia. Mas dê seus pulos. Não aceito menos. Aliás, caro transeunte deste blog, desde 1981 esperamos por isso, correto? O que queremos? Amor! Quando queremos? Agora! E não há negociação. Não aceito menos, não barganho, não troco amor por paixão, não troco amor por sexo (mesmo os de altíssima qualidade), não troco, pronto e acabou.

Ainda suspiro feito adolescente ao ler romances. Uma confissão duríssima para alguém que sempre demonstrou ser uma pedra. Sim, eu suspiro. E ontem suspirei ao ver Bibiana e o Capitão Rodrigo (O tempo e o vento). E ali mesmo, vendo a cena do encontro, decidi que 2014 é o ano do amor. Difícil fazer um plano que não depende da gente, né? Mas foda-se.

Ah, 2014, e não me venha com amor meia boca! Nada de eu amar sozinha, como sempre acontece. E aí passo um ano inteirinho investindo em algo sem a menor chance de dar certo. Cansei de doar amor à vagabundos que estão cagando pra mim. Cansei.
Amor é uma parada muito séria. E merece ser tratado com respeito.
Fazendo as contas por alto, amei muito, mas recebi pouco. Pouco, não. Nadinha de nada. Ou como dizem as crianças, necas de pitibiriba. Sabe o que é passar 32 anos sem ouvir um "Eu te amo"?

Wifi, um copo com água, e um "eu te amo" sincero, não se nega à ninguém. E não dá para encontrar com o barqueiro Caronte sem ter carimbado no passaporte da vida "Amou e foi amada". Mínimo. Está na cesta básica da vida. Deveria ser plano de Governo. Muitas tragédias se evitariam com amores sinceros.

Então é isso, quero completar o álbum de figurinhas "Amar é..."

Universo, quebra essa. Faz uma para ser lembrado.

A luta continua. Aliás, luta bem antiga. Na luta pelo primeiro namorado, sempre!

Nenhum comentário: