domingo, 10 de fevereiro de 2008

To be continued

Como recebi milhares de e-mails (mentira deslavada) solicitando a continuação da história "Minhas Joselitices", resolvi publicar.

Acabamos no "Alice?".

Ah, você não leu a história e não sabe do que se trata? Desça alguns posts, e se tiver paciência, leia.

Bem, tinha me dado por vencida. Depois da luta travada da última vez, eu havia desistido de brincar. Até ontem.

O telefone toca.

- Alice, estou ligando para avisar que sua amiga está bem!

Automaticamente pensei. Sequestraram a amiga da Alice. Bêbado é assim mesmo, demora para cair a ficha.

- Caro sequestrador, você deve ter ligado no número errado.

- É o Matheus.

Nesta hora, dentro da minha mente, toca a musiquinha de ligação a cobrar. Demorei para perceber que era o cara de alguns dias atrás.

- Ôpa. Quer dizer que ela chegou na paz do Senhor. Fico feliz! E você, está bem?

- Estou. E você, porque não está aqui?

- Porque...porque...ah, não sei. Só sei que não estou. A minha amiga resolveu sair da festa, e eu resolvi ficar. Acho que é por isso que não estou aí.

- Estou curioso para saber como você conseguiu meu telefone.

- Um bom jornalista jamais conta sua fonte. E a história é longa.

- Então vem me contar aqui.

- Putz, não dá. Estou no Alto da Lapa, muito longe daí.

- Ah, pena. Mas ainda quero saber como você me achou.

- Tudo bem, amanhã eu te acho de novo, e conto.

Sabe de uma coisa? Não estou com a menor vontade de prestar esclarecimentos. O clima de suspense é muito divertido para acabar assim. Ao menos ele sabe que serial killer eu não sou.


6 comentários:

g.g. disse...

Olá!
Adorei o seu blog!
Adoro essas histórias loucas da realidade, mesmo quando são enfeitadas com um pouco de ficção!
Voltarei mais vezes!
Beijos!
A propósito: Matheus não é gay.

Vivi disse...

Que bom que gostou, g,g. Volte sempre!
As histórias necessitam de um pouco de ficção, do contrário perdem a graça. Quem sou eu para julgar a sexualidade alheia, né?
Apenas histórias. Assim como a dona, não se deve levar este blog muito a sério. Beijos!

A propósito: Como detetive, vc é tão bom qto eu. Fiquei surpresa.

Cláudio disse...

Mentira ou não as histórias são engraçadas. Gostei do seu blog! Ganhou mais um fiel leitor.

Letícia disse...

Ah, a continuação. Havia ficado curiosa. Alice é um nome emblemático, tem algo de misterioso e inacessível. Tem a Alice do país das maravilhas, dos espelhos, do Martin Scorsese ("Alice não mora mais aqui", de 1974). Estou torcendo para um final feliz.

Bjos, Vivi.

Lia disse...

Vai ter continuação mesmo?
estou aguardando ansiosa. mas qual é a parte da mentira? a opção sexual ou a história em si? curiosidade mórbida. ainda não recebu e-mails pedindo continuação?
preciso mandar um.

Vivi disse...

Cláudio, o que vale é o bom-humor, sempre.
Let´s, concordo com sua opinião sobre as Alices. Porém, creio que não haverá desfecho para história. É aquele tipo de história divertida que, às vezes, é melhor deixar sem final. Nem triste, nem feliz, apenas engraçado.
Lia, se eu contar a parte que é mentira, a história perde a graça. Sobre a continuação, creio que não. O mundo é pequeno. Mas encontrar a pessoa em questão novamente, acho bem difícil.