terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Minhas Joselitices

Aqui em São Paulo tem um teatro-bar muito legal chamado Parlapatões. Você pode assistir ótimas peças, e depois sentar em uma das mesas do saguão e tomar uma cerveja com os amigos. Este foi um dos programas do final de semana.

Antes de sair de casa dei aquela olhadinha na novela com as amigas.

A cena era fofa. A menininha virgem perdia sua "honra". E a melhor parte foi o namorado dizendo que faria com carinho. Todas presentes na sala deram aquele suspiro, fizeram os devidos comentários sobre o rapaz, e saímos com a frase: "Se eu encontrasse com um cara desses..."

- Vi, olha para sua direita. Não é o carinha da novela?

- Será? Putz, parece bastante. Será que ele é carinhoso?

Risos histéricos. Mulheres deveriam ser proibidas de saírem em bando.

Nosso amigo gay disse que coração de mãe não se enganava, e o dito cujo era gay.

Não dava para morrer com uma dúvida dessas. Tomei mais uma dose, e resolvi ativar a missão "descubra se o mocinho em questão gosta de meninos ou meninas", mandei um bilhete pelo Gabriel - o melhor garçom de todos os tempos. Pedi que não dissesse quem enviou o bilhete.

Ficamos vendo o baile. O bilhete passou de mão em mão. Olha, modéstia à parte, o bilhete era sensacional. Algo sobre o século XXI e o romantismo, eu estava sob efeito do álcool, não me peçam detalhes.

Quando eu já havia desistido do ser em questão, um amigo o troxe à mesa.

- Este é o meu amigo...

Ele se apresentou.

A conversa rolou durante alguns minutos. Eu realmente não tinha provas suficientes para saber a opção sexual da pessoa. Só sei que era o carinha da novela, e ele realmente era bem bonitinho.

A conversa foi rolando, e eu descobri que era aniversário dele. Vinte dois aninhos. Meu Deus, estou ficando velha.

- Feliz aniversário, esqueci seu nome.

- Ah, não acredito.

- Juro. Por acaso você lembra o meu?

- Não. Qual é?

- Qual você gosta?

- Alice.

- Ok, eu sou a Alice. E qual o seu nome mesmo?

- Qual você gosta?

- Mateus.

- Perfeito. Eu sou o Matheus, e você é a Alice.

- Mas porque Alice?

- Você é tão doida quanto o filme dela.

- Bem, volte para os seus amigos, é o seu aniversário. Parabéns (beijo).

Juro, eu acreditei no romance. Mas o namorado dele ficou bravo. Menos de meia hora depois, ele foi embora.

Não me dei por vencida. Comprei uma rosa vermelha, e mandei entregar.

- Diga ao Mateus que é um presente de aniversário da Alice.

A florista quase não conseguiu entregar a rosa vermelha. Voltou dizendo que o moço que o fazia companhia havia pedido para ele devolver, mas o Matheus havia agradecido a gentileza.

Em uma missão impossível, descobri o telefone dele.

Torpedo: Mateus, depois de 48 horas descobri quem você realmente era. Mesmo que fosse o Papa, eu não teria te reconhecido. Bem, pra mim você é Mateus. Todo mundo tem duas caras.

Resposta: Alice?

10 comentários:

Rodrigo Borges disse...

Vai ter mais um capítulo desta novela?

Hugo Becker disse...

Vivi, vc não existe. Tava com saudade dos seus textos! hahaha... bjos

Falcon disse...

Vivi,
você, como sempre, continua escrevendo sensacionalmente bem...
adorei a 'casa' nova...muita sorte nela!!!!
Vou tentar voltar a frequentar...
um grande bjo
Falcon

Felipe Atch disse...

Olá gostei do novo blog!

Vivi disse...

Rô, acho que não.
Hugo, apareça quando quiser!
Falcon e Felipe, obrigada. Estava precisando de uma "casa" nova. A outra estava desorganizada demais.

Letícia disse...

Curiosidade monstra pra saber quem é o cara... Eu reconheço todos na rua e qdo vou a São Paulo, ligo meu radar de fã-caipira-do-interior. Qdo for de novo, vou querer sair com vc, Vivi, só para rir.
Bjos e adorei a casa nova!
PS: Aprendeu a mexer no template? Eu queria mudar o meu, mas me confundo toda.

Rodrigo Borges disse...

Puxa, fazendo sucesso seu template novo, heim? Tá de parabéns. hahaha

Vivi disse...

Letícia, é só entrar em contato. Vc sabe como. E não posso dizer quem é a pessoa em questão, opr motivos óbvios. Ah, e não fui eu quem fez, não. Foi o meu amigo dono do circo.

Randall disse...

Estive no Parlapatões ontem até 3 da matina, é sempre complicado trabalhar no dia seguinte. E hoje eu devo estar lá de novo, não posso perder O Natimorto!

Vivi disse...

Nossa, eu estava lá ontem!!!!!
Mundo pequeno!