sábado, 23 de abril de 2011

Menina

Menina, o que houve com você?
Quando você era criança, sua mãe sempre disse que seria o que quisesse ser. Lembra das sapatilhas de ballet? Onde estão? Escondidas em algum lugar. Assim como tudo que desejou ser está.

O mundo não é o que você esperava. Posso te confessar algo? Nem pra mim. O meu era muito mais cor de rosa do que ele realmente é.

Não culpe o mundo. A verdade é que ele não está nem aí para pessoas como nós. Se ele não liga, pra quê você deve ligar?

O que você queria fazer mesmo? Não aquilo que lhe mandaram fazer. Mas o que realmente quer?

Alguém disse que você precisa fazer algo. Arcarão com as consequências?
A consequência das suas escolhas, menina, só você saberá e sentirá. Não deixe que escolham por você.

Ah, astronauta. Acho que sim. Sentir-se "tocando" estrelas vai deixar seus olhos mais brilhantes? Fará com que sua alma volte ao corpo? Toque-as.

Menina, volte a ser menina. Menina, volte a acreditar. Hoje não está bom? Amanhã há de estar.

Vamos pegar as sapatilhas, tirar o pó e voltar a fazer a dança da vida. Nas pontas dos dedos, um passo por vez, sente o ritmo. Baile, bailarina, mesmo que seu corpo não seja mais o mesmo. Mesmo que os olhos não sejam os infantis, mesmo que o companheiro de dança não seja o ideal. Simplesmente baile o que quiser.

Se você não está feliz, menina, ninguém ao seu lado ficará.

Nenhum comentário: