quinta-feira, 10 de agosto de 2017

I really dislike

I really dislike when a Brazilian start to speak bad things about Brazil.  I just really dislike when people hate their own country so much and only complain about politics, say that they wish to trade places and be in Europe, USA or another country...  There are plenty of Brazilians who love their country too and I´m...

Ops, estou escrevendo em inglês? Ah, sorry! São esses 2 meses morando fora do Brasil. Eu esqueci o português. Taí outra coisa bizarra e que eu não gosto! Brasileiros que enfiam um monte de expressões em inglês no vocabulário e fingem demência com própria língua.

Para quem não pescou o começo, a primeira reclamação é de quem reclama do Brasil para todo estrangeiro o tempo todo (gastei no pleonasmo da reclamação do reclamador porque eu estou reclamando). Já ouvi centanas de brasileiros responderem sobre "What about Brazil?" com uma lista gigante de problemas - sempre falam de corrupção e pobreza. Gente, isso está no jornal! Acreditem, isso eles já sabem, e muito melhor que muitos brasileiros, que só reclamam mas não conseguem lembrar sequer em quem votaram na eleição passada.

Alguém já comeu um pato no tucupi? Já deu aquela espreguiçada em uma rede na praia? E aquele sol gostoso no rosto em pleno inverno? E a quantidade infinita de frutas? E as músicas regionais? Literatura de cordel, por exemplo. Quer coisa mais maravilhosa? E a nossa dança? Ah, poderia fazer uma lista enorme. Não sejamos óbvios!
Conheçamos nosso próprio País. Muita gente se orgulha de ter 50 carimbos de viagens pelo mundo, mas não conhece seu próprio País. Aliás, farei esta lição de casa com urgência.

Esses dias fiz uma cagada.
Cansada de ter que explicar que a capital do Brasil não é a Argentina, que eu não sei sambar e que minha bunda é pequena, mesmo sendo brasileira, mudei minha nacionalidade.

- Where are you from?
- I´m from Argentina.

Silêncio ensurdecedor. Quase visualizei o mapa mundi aberto e o cara procurando onde ficava.
Ele não tinha nada para falar sobre o País. Não teve uma piada sequer, uma dancinha e não me senti um macaco de circo.

...

Para que entendam, voltemos no tempo...

Belo dia passeava eu pela região do Temple Bar quando um mocinho de procedência inglesa veio ser simpático.
Ao responder que eu era do Brasil, como se fosse num circo, gritou aos amigos "Adivinha de onde ela é? Adivinha? Brasil!!!! Dança aí pra gente, vai. Samba!"
Isso é tão contrangedor quanto eu pedir para um irlandês dançar river dance. Imagine eu chamando todos os meus amigos para ver o irlandês dançar river, ou o argentina dançar tango e etc.

....

Sem piadas, sem dancinha, sem aquela olhada na bunda para conferir o selo Brasil de qualidade na anca, o cara não tinha o que falar. Ou seja, sem referência alguma sobre a Argentina.

Neste dia eu tive vergonha de dizer que era brasileira, e depois me senti mal por não dizer e encarar os próximos minutos numa luta visceral sobre o que é o Brasil. A culpa é nossa!
A culpa é da nossa pagação de pau absurda para cultura do outro, sendo que a nossa é riquíssima.
É o que vendemos, é o que falamos, é como nos portamos, é o que exportamos. Exportamos bunda, sexo, mulheres gostosas, belas praias, samba, caipirinha, corrupção, políticos ruins e uma vida muito pobre. Mas será que o Brasil é só isso?

Então mudei. Agora virei embaixadora da cultura brasileira. E onde houver um brasileiro falando mal, ou qualquer um, defenderei com honra e dignidade.
Nunca fiz, nem nunca farei parte do time que fala mal do próprio País.Tive um momento de cansaço da luta, mas já retomei.

Tenho algumas premissas:

  • Não, não escrevo legendas em inglês. Até mesmo porquê 90% dos meus amigos nas redes sociais são brasileiros.
  • Não faço parte do time que quer morar em qualquer canto do mundo só pra sair do Brasil.
  • Não acho a cultura de nenhum País superior a minha cultura. Valorizo, respeito e amo a cultura brasileira.
  • Não comparo estilo de vida. Todos os lugares tem seus pontos positivos e negativos. E realmente não gosto quando as pessoas começam frases com "Se fosse no Brasil", e aí vem algo negativo na sequência. Tente ver coisas positivas no nosso País, eu poderia fazer uma lista gigante.
  • Não gosto das frases que começam com um brasileiro dizendo "Brasileiro tem mania de", aí vem uma sequência de atrocidades sendo que ele também é brasileiro.
  • Não falar mal do País do amiguinho respeitando as diferenças. A melhor defesa não é o ataque, e sim a compreensão, respeito e muita conversa. Logo, parei de falar mal da fazendinha como forma de ataque aos que falam mal do Brasil. Eles só reproduzem o que a gente mesmo fala. Muitos nunca estiveram no Brasil.  
Resumo: Pra mim o Brasil é o filho feio que a mãe acha lindo e não deixa de forma alguma que o outro aponte os defeitos.







Nenhum comentário: