quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

O feno

O feno acabou de passar por mim. A cidade que tanto me estressa está vazia. É inacreditável. Ninguém habita meu bairro. E nem minha casa, diga-se de passagem.

Meu telefone não tocou. Não que ele sempre toque, e que eu seja uma pessoa muito requisitada, mas ficar o dia inteiro sem tocar, é a primeira vez. Cheguei até a tirar do gancho para ver se havia algo de errado. Notei que a única coisa de "errada" é que não tem nenhum amigo na cidade.

Resolvi ligar para desejar um feliz 2009. Depois de três tentativas, desisti. Os celulares estavam fora de área.
Fazia mais de 5 anos que não passava as festas de final de ano na cidade. Tinha esquecido o quanto é entediante.

Já li, já dancei, cantei, assisti filmes, assisti programas da tarde, arrumei meu guarda-roupas, limpei a casa, e o dia não acabava. Aliás, ainda não acabou.

O dia primeiro de janeiro do ano de 2009 entrou para a minha história pessoal como sendo o dia mais longo de toda a minha existência. Nunca na história deste País, houve um dia tão longo!

Nenhum comentário: